.

The freewheeling

terça-feira, 28 de maio de 2013

só hoje

"Hoje eu vou te esquecer, só hoje...só hoje não vou lembrar de tudo, não vou me martirizar de arrependimento, só hoje não vou reclamar, só hoje não vou me auto-flagelar, só hoje não vou escrever sobre você, só hoje não vou desenhar seu rosto.... só hoje não vou sonhar com você, só hoje... não vou tentar descobrir porque você é tão parecida comigo, porque a gente gosta das mesmas coisas, ou porque tudo acabou... eu queria que o hoje se estendesse por um tempo, para eu ter paz e dormir tranquilo, eu sei que um dia vai ser mais fácil, e o hoje será todos os dias... quando isso acontecer e você ainda estiver afim de descobrir tudo isso, podemos tentar... apagar o hoje, pensar no amanha, só hoje!"

Stickertal

domingo, 26 de maio de 2013

...

quero gritar, quero dizer, não quero mais pensar, e nem fazer....tudo isso está me consumindo, não me sinto bem, não sou mais eu....inferno, é isso, um inferno...vivo o meu próprio inferno, sou um arquiteto maldito, escolhi cada quina e cada parede desse lugar desprezível... escolhi as cores e os tons... também parece um carcere, me sinto preso a pensamentos....chega, tenho que esquecer tudo!

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Esculturas

A muito tempo me interessei por essa plataforma....na realidade eu queria esculpir...mas não tinha ideia de como fazer isso por conta própria então parti para a modelagem, comprei argila e me virei....nao chegou nem perto do esperado e no fim não tinha conhecimento necessário para dar o acabamento que queria...eis que na faculdade me deparo com o mesmo material, mas agora com instrução....ficou mto mais fácil...:

 
Primeiro trabalho, para sentir o material, é feito de argila e foi assado no forno....assim se tornou uma ceramica



esse também foi feito de argila, mas por cima da argila foi tirado um molde de gesso para assim poder fazer o escudo em concreto...


Obs: isso não é uma escultura, sou eu tirando um molde rs

terça-feira, 21 de maio de 2013

O Conto do Homem Solitário (reescrito e revisado pelo tempo)



Vou contar uma história, não quero que você leitor se identifique com ela de qualquer forma, seja situação ou tenha simpatia pelos personagens, apenas leia. Havia um homem, um homem egoísta e grotesco, esse homem se recluiu em um casulo sem perguntar se as pessoas que gostavam dele ligariam se ele estivesse afastado de todos. Então viveu sozinho por anos, anos e anos....até que ele reparou que uma dessas pessoas do mundo exterior se importava, e então decidiu que talvez era hora de sair daquilo e conhecer o que havia lá fora.
  Assim ele fez, de fora da prisão avistou o céu, e ambos puderam dar as mãos e voar num sonho sem igual, levantaram voou de tal forma que todo o resto parecia não existir. Atingiram uma altura incrível e chegaram a lugares jamais sonhados, a sintonia era perfeita, tinham até coragem de se arriscarem na chuva de tão completos que se sentiam.
  Mas talvez sua reclusão por um longo período o fez esquecer do convívio social, ou quem sabe ele nunca estivera preparado para viver um situação dessas, por já ser egoísta e ainda despreparado era obvio que tudo iria ter um destino certo, a ruína, o estrago, toda a perfeição iria ruir e cair e se destruir de uma vez só...
 E foi o que aconteceu, como em filmes de aventura, no final o templo rui e cede ao peso das inseguranças, e assim desmoronou tudo, as colunas e os adornos trabalhados por todos os artistas apaixonados. Caiu e quebrou...a bagunça era tanta que não havia coragem para que ao menos aquele espaço fosse limpo, ou quem sabe restaurado, e lá ficou ruínas de uma jornada única, ruínas de um curto verão, um marco na vida, um evento de tal importância que após o mesmo nunca mais Lono, Freyr, Tlaloc e qualquer outro chorou da mesma forma!
 Mesmo após um turbilhão de coisas esse homem, que como já foi dito era grotesco, uma espécie a ser estudada, quem sabe até mesmo para que não existissem outros iguais. Ele continuou, saiu do casulo de vez e viveu, decidiu voar, mas agora sozinho foi pra longe, e foi pra perto e percebeu que era bom estar longe das ruínas do templo, mas ao voltar sabia que teria que se deparar com tudo aquilo, e assim cada vez que retornava uma aperto o machucava, mas não sintam pena dele, não de forma alguma. Assim como os vilões merecem a morte no fim dos romances ele merecia o que estava passando, ele sim merecia.
 Então partiu para ficar em um novo casulo, esse agora a 300 km de distância de tudo, assim estaria salvo. Se focava em si mesmo, em sua produção para não pensar em nada, para não se preocupar com nada, mas uma noite fria o vento sudeste subiu em curva e ele trazia poeira do passado.
  O homem não resistiu e caiu, dessa vez sozinho, caiu e sofre, sofreu porque sabia que era tarde demais, após solstícios e equinócios as coisas mudam, as rugas nascem e as feridas sangram. Então ele pensou em resolver tudo, afinal o que vale mais a pena uma casa linda, sua casca? Suas cores? Ou o que está lá dentro?
 O fim? Nunca saberemos, esse homem ainda vive (infelizmente) e só terá um fim quando ele deixar de ser satélite e criar sua própria orbita, o mesmo jamais chegará a ser um astro.

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Releitura

 A proposta era fazer uma releitura de alguma obra com o nosso estilo, e ai foi isso q eu fiz:

 

Peguei um Degas e destrui....coitado...deve estar se remoendo no outro mundo....ao invés de fazer a luz e a impressão de algo, eu os fiz concretos e baseados nas sombras...do jto q gosto de desenhar!

Cotidiano

Cotidiano 1 from Wallace on Vimeo.

domingo, 19 de maio de 2013

sorrir!

certa vez eu passei por uma situação bem complicada, e para não me deixar abater eu sorria, para tudo, tudo que acontecia eu me entregava a um sorriso e aquilo me confortava, sentia q não era mais afetado por aquilo que tinha acontecido. Então um professor que sabia do ocorrido me viu sorridente e disse: "Quem sorri tanto assim e de graça é pq quer esconder lagrimas!" eu sorri pra ele e continuei, apesar dele ter dito uma verdade, eu sorri e me mantive no foco. Vamos sorrir!

Sketch (4)

Mais Sketches....

 


Nem preciso explicar tbm ne??? abbssss

sábado, 18 de maio de 2013

Sketch (3)

E continuando a série de sketches:






Não preciso explicar ne??? 

casa....meu espaço poético, segundo gaston bachelard....

Compre uma bandeja de milhos, coloque para ferver na panela de pressão....a água no bule, pó de café no coador sob a garrafa térmica, espere ambos ficarem prontos. Coloque o milho em uma vasilha sob a mesa, tire o café e coloque em uma xícara, açucar a gosto...pegue um pote de margarina uma faca sente-se só e sirva-se de milho com bastante manteiga..beba café constantemente não se esqueça de colocar bob dylan no som....feche os olhos...lembre-se de sua casa, e sinta muita saudade

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Perda

 Era inverno, a viagem ia bem, neve por todos os lados mas isso não me incomodava, desde que não encostasse em minha pele. Deitei cedo noite passada mas acordei diversas vezes, não conseguia pregar os olhos, talvez a angustia para viajar novamente, talvez o medo de estar sozinho. Senti sede a noite inteira, acordava e me lembrava de não ter uma garrafa d'água em meu quarto, fechava os olhos e tentava dormir novamente.
 O relógio finalmente tocou, hora de partir. Levantei como um raio corri para o banheiro escovei os dentes lavei o rosto e fui me trocar, tirei toda a roupa e coloquei o uniforme de frio, blusas, casacos, sobretudo, touca, cachecol, luvas, calça e muitas meias, por fim uma bota para garantir estar protegido do frio constante. Arrumei toda a mala e desci para a recepção do albergue, pedi para deixar a mala durante o dia enquanto poderia ir passear, eles me indicaram um armário, depositei o objeto bem pesado e parti.
 Ao chegar no metro ainda era noite, no inverno o dia só amanhece de verdade as oito e meia da manhã. Esperei o meu metro observando tudo ao redor, era meu ultimo dia na cidade. Ao embarcar re-vi aquele povo diferente, com roupas diferentes e cheiros únicos, era uma especie de adeus. Desembarquei em minha estação e sai caminhando pelas quadras, construções incríveis cresciam e me impressionavam a cada esquina, impressionante como todos os dias naquela cidade. Visitei o museu mais esperado, aliás pode ser dizer que uma vida de espera pelo mesmo, ao adentrar não pude conter a emoção, estava lá dentro, muitos não acreditaram, muitos duvidaram, mas eu estava lá, observando os grandes mestres de perto.
  Ao sair do museu após horas de passeio por seus corredores e checar obras incríveis, notei que havia perdido uma das minhas luvas, droga! Agora teria dedos congelados por todo o resto da viagem, corri à primeira loja que encontrei e lá consegui um par de luvas de couro, não eram das melhores mas precisava aquecer as mãos, comprei e as vesti rapidamente.
  De volta a estação esperei o metro mais uma vez, embarquei e fui no meu longo caminho até o meu destino. Lá chegando encontrei um restaurante turco onde era servido o famoso Kebab, que é bom, quase bonito e barato. Comi um inteiro e voltei ao albergue, retirei minha mala, tomei um café e parti para o terminal rodoviário pois o aeroporto era distante. Peguei um ônibus que andou por avenidas e estradas distantes, duas horas de viagem vendo arvores secas e paisagens jamais vistas. Esperei horas pelo avião que me levaria a uma nova cidade, mas enfim chegou, embarquei e cheguei tarde da noite, tão cansado que só queria dormir, mas antes de deitar decidi desfazer as malas, abri e tirei cada peça de roupa e as fui guardando quando olhei novamente percebi que não estava lá, me deu um desespero, aonde estaria? Onde poderia ter esquecido?

sábado, 11 de maio de 2013

Sketch (2)

Continuando os Sketches...ai segue mais um:
Esse fiz em homenagem ao mestre Moebius...mas não representa nada de vdd....só pq estava pensando nos quadrinhos dele....rs




esses dois desenhos nasceram sei lá de onde....são bem parecidos rsrs

sempre pirei em desenhar mãos rsrs

sábado, 4 de maio de 2013

casa

vir pra casa foi bom...muito bom, e ruim também, cada dia a mais é um a menos....vai te machucando bem lentamente, não é um sacrificio ter q partir...mas sempre doi. Finalmente me dei conta de q larguei tudo por um tempo, minha vida aqui parou/acabou, serão anos longe e me incomodou um pouco....hoje li mensagens antigas, me deu uma saudade de quando eu estava na zona de conforto, de quando minha vida era legal pra caramba....nunca mais vai se repetir, infelizmente, vou embora e depois voltarei para me torturar mais um pouco....é bom estar com a familia, e ruim estar sozinho!

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Sketch (1)

Bom...não tenho o q postar....então vou mostrar uns sketches....se os desenhos já não são tudo isso...imagine os Sketches ahhaha

(obs: não usei nenhum dos dois hahaha)