.

The freewheeling

domingo, 26 de dezembro de 2010

Manual de Bolso da Vida Entediante (parte 1)

Quem sabe tudo não começou com aquele primeiro romance? Sim como todo jovem, eu tive um primeiro amor platônico, eu diria, delírio infantil, mas você leitor o classifica como preferir. Me lembro que, vivi até certa idade de pura felicidade, não me importava com o que fazia, apenas queria me divertir, adorava bagunçar, e ficar totalmente sujo. Mas ai então, me disseram que todos os homens precisavam de uma namorada, e que aquela namorada um dia seria sua mulher, e você teria filhos com ela, e seria feliz para sempre. Na teoria é tudo tão perfeito quanto o socialismo, e eu era tão inocente quanto os russos. Pois bem, essa mentira se tornou uma verdade absoluta pra mim por alguns anos. Me lembro que a primeira “namoradinha” do bairro foi uma garota dos cabelos dourados que vivia ao fim da minha rua, seu nome era Camila e meu irmão “namorava” sua irmã.

Todos devem saber que a brincadeira que eu tinha com Camila não passavam de... brincadeira. Então assim fui me arrastando por anos, tendo namoradinhas em meu subconsciente. Eu sempre namorava alguma delas, mas na verdade eu só sentava ao seu lado nos recreios do pré. Isso durou quase toda a vida no ensino fundamental, até que cheguei a 4º série, e um amigo me disse estar gostando de uma garota.
Seu nome era Brener, e você com certeza já deve ter conhecido um cara que tem tudo, que já fez tudo, e que com certeza é rico. Pois bem, o Brener mentia tudo isso todos os dias, ele dizia que tinha piscina no quintal, milhões de quadrinhos, TV a cabo, internet, vários carros, celulares, e todos os sonhos de consumo de uma criança que vivia nos subúrbios.

Como eu dizia, Brener um dia me chamou e disse:
- Ei Jhonny, já viu a nova garota que entrou na sala?
- Não!
- Eu pedi pra namorar ela, mas ela disse que namora um cara da tarde...eu estava pensando, semana que vem vai ter aquela excursão pro parque de diversões. E se nós pegássemos ele?
- Claro, se ele vier brigar com você, agente da um jeito!

Obviamente eu queria que o Brener se fode-se com todo aquele papinho de meu pai tem isso, minha mãe fez aquilo. O boato de que nós iríamos dar uma surra no namoradinho da garota se espalhou, e ela um dia veio falar com ele, que por ser um verdadeiro covarde me chamou para escutar a história também, lá chegando eu a ouvi dizendo:

- Se ele é pequeno? HAHA. Ele é enorme, dá dois de vocês, deixa só chegar a excursão que eu vou pedir para ele arrebentar a cara de vocês dois....

E falou por mais meia hora, apesar de tudo eu gostara do rosto dela, do jeito bravinha de ser, e a partir daquela data comecei a notá-la cada dia mais, e um dia então a professora me colocou de frente para ela. Eu fiquei por uma semana inteira fitando seu rosto fixamente, e ela por sua vez fitava o meu, e então um dia minutos antes do sinal bater eu a olhei, ela me olhava e eu em silencio disse:

- Eu gosto de você!

E ela me respondeu:

- Eu também!

Bom, a partir daí eu tive uma “primeira” namorada.
(espero que continue)

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

דבר (nada!)

Bom...fiquei algum tempo sem postar...mas aproveitando minha saude debilitada vou postar um quadrinho q esta pronto a alguns meses...mas por falta de tempo e coragem nunca postei aqui....ele tem apenas 6 paginas como os outros....mas é um pouquinho diferente....espero que gostem....!!!!








Para quem preferir baixar o pd segue o link :
דבר (nada!)